O Meio Ambiente e a vulnerabilidade dos povos indígenas

As Terras Indígenas (TIs) são atualmente um caso preocupante do descaso que vêm sofrendo desde a sua origem, à medida que as causas sustentáveis vem ganhando visibilidade o agronegócio, garimpo, grilagem e queimadas avançam desgovernadamente nesses territórios o que acaba tornando-se uma ameaça aos indígenas porém o que muitos não sabem é que isso afeta diretamente pessoas de diversos lugares tanto de aldeias como de cidades.

Principais ameaças ao meio ambiente em terras indígenas

Aldeia dos Kisêdjê (à direita) e Plantação de Soja (à esquerda), no Mato Grosso. Créditos: Rogério Assis do ISA.

Atualmente, observa-se práticas que são inimigas da conservação da natureza e da diversidade dos biomas brasileiros, como o agronegócio sem planejamento de sustentabilidade, por ocorrer o uso indiscriminado de agrotóxico, tendo como consequência a poluição do ar, dos rios e até mesmo das terras. O garimpo ilegal é um inimigo também, por gerar descaracterização da morfologia original do terreno, além de conter rejeitos de mercúrio metálico, se tiver mau uso da terra, pode também aumentar os níveis de metilação do mercúrio e a grilagem. A atitude de envelhecer documentos para falsificá-los, tomar posse de terras, por dar a impressão de que é um documento antigo só possui uma intenção por trás: lucros a todo custo, gerando especulações imobiliárias, como o desmatamento, as terras indígenas são os principais alvos dessas invasões, por serem terras de difícil acesso.

A invisibilidade da questão indígena no Brasil

Anna Terra Yawalapiti e policiais durante manifestação no movimento Acampamento Terra Livre em Brasília. Créditos: Matheus Alves.

Tal questão se dá pelo simples motivo do mundo ter evoluído mas a mente de boa parte da sociedade não teve o mesmo resultado. Há muitos que acreditam no mito do indígena se encontrar apenas no mato, preguiçoso, selvagem, atrasado e sem perspectiva de vida alguma e quando se deparam com o contrário já não o associam como nativo e anulam toda a ancestralidade que o mesmo carrega. Isso sem falar da falta de representatividade na sociedade, quando não há referências, nem vozes atuando no combate de práticas racistas o apagamento da autonomia desses povos se dá de forma gradativa.

Preconceito, invasão e exploração de terras indígenas

Indígenas em Brasília no movimento Levante pela Terra, durante manifestação em frente à FUNAI. Créditos: Andressa Zumpano.

É o conjunto o qual atua desde a época Colonial e que infelizmente está presente até hoje, seja nas práticas de invasão onde simplesmente tomam posse das terras que já tem dono e fazem o uso desgovernado dos recursos ali presentes e sem consciência alguma das consequências futuras de suas ações. A desinformação a respeito de tais temáticas é enorme e é necessário o debate porque não há pessoas como indígenas esses que são experientes na atuação de proteção de florestas e saberes tradicionais os quais os dominam e têm propriedade tanto de fala como de território. 

Campos do Cerrado estão mais protegidos nas terras indígenas

Em 2019, uma pesquisa inédita  foi publicada sobre o status de conservação dos campos nativos do Cerrado, uma classe de vegetação que costuma ser bastante desprestigiada pelas políticas ambientais Brasil afora. Com distintas fisionomias e dinâmicas, o Cerrado é floresta, savana e campo. Com o objetivo de avaliar como esses campos nativos encontram-se hoje, a doutora em Ecologia e Conservação da Biodiversidade, Juliana Bonanomi, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), liderou uma pesquisa comparando 34 terras indígenas, 9 unidades de conservação e quase 49 mil reservas legais em propriedades privadas localizadas no Cerrado matogrossense. Ela chegou à conclusão de que são os territórios indígenas as áreas mais importantes para a manutenção dos campos nativos.

Com imagens de 2016, o estudo publicado na revista Perpectives in Ecology and Conservation identificou cada classe de vegetação (cerrado denso, cerrado típico, cerrado ralo, cerrado rupestre, campo rupestre, campo sujo, campo limpo), além das áreas com pastagem e lavoura nos polígonos das unidades de conservação, nas terras indígenas e nas propriedades privadas.

Podcast, filmes, documentários e vídeos no YouTube

  • Copiô, Parente – Cristian Wari’u & ISA
  • Xingu (2012)
  • Belo Monte –  Anúncio de Uma Guerra (2019)
  • Kukurro’s House (2020)
  • “Terras Brasileiras” (2017)
  • Yanomami: A Terra Garantida – UFU
  • Floresta de Gente – UnBTV (2019)

Referências

REAL, Amazônia. Campos do Cerrado estão mais protegidos nas terras indígenas. 2019. Disponível em: https://amazoniareal.com.br/campos-do-cerrado-estao-mais-protegidos-nas-terras-indigenas/. Acesso em: 29 maio 2021.
UNPE, United Nations Environment Programme. UN DAY: dia mundial do meio ambiente 2021. Dia 
Mundial do Meio Ambiente 2021. 2021. Disponível em: https://www.unep.org/pt-br/events/un-day/dia-mundial-do-meio-ambiente-2021 . Acesso em: 27 maio 2021.
UNPE, United Nations Environment Programme. PREVENTING, HALTING AND REVERSING THE DEGRADATION OF ECOSYSTEMS WORLDWIDE: the un decade on ecosystem restoration is a global rallying cry to heal our planet. what will you restore?. The UN Decade on Ecosystem Restoration is a global rallying cry to heal our planet. What will you restore?. 2021. Disponível em: https://www.decadeonrestoration.org/. Acesso em: 27 maio 2021.
WWF, Rede World Wide Fund for Nature. Unidades de conservação e Terras Indígenas na Amazônia: uma rede de segurança para a biodiversidade e os seres humanos. uma rede de segurança para a biodiversidade e os seres humanos. 2014. Disponível em: https://www.wwf.org.br/?42285/Unidades-de-conservao-e-Terras-Indgenas-na-Amaznia–uma-rede-de-segurana-para-a-biodiversidade-e-os-seres-humanos.  Acesso em: 27 maio 2020.
PINAGÉ, Paulo. Mehinaku: Message From Amazon. São Paulo (SP) Ed. DIALETO Latin American Documentary (2000).
FILHO, Orlando Villas Bôas. Orlando Villas Bôas: E A Construção do Indigenismo no Brasil. São Paulo (SP) Ed. Mackenzie (2014).

Tags

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *